• SEEB Juazeiro

Endividamento das famílias bate novo recorde



A política ultraliberal do governo Bolsonaro impõe uma realidade dura aos brasileiros. Muita gente perdeu o emprego na pandemia de Covid-19, quem teve a sorte de se manter empregado, viu o poder de compra despencar com a disparada do custo de vida. Sem dinheiro, o endividamento das famílias bateu recorde em julho.

O índice de famílias que afirmaram ter dívidas no mês de julho chegou a 71,4%, o maior patamar da série histórica, iniciada em 2010. O aumento é de 1,7 ponto percentual em relação a junho e de 4 pontos na comparação com julho de 2020.

Quando observados os grupos de renda, o endividamento entre as famílias que recebem até 10 salários mínimos subiu de 70,7% para 72,6%. Já entre as que ganham mais de 10 salários mínimos, o percentual passou de 65,5% para 66,3%.

As dívidas incluem cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal, prestação de carro e de casa.

Os dados são da Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor), divulgada pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).


Fonte: Bancários Bahia.

1 visualização

Busca

Outras Notícias