• SEEB Juazeiro

Brasileiros têm de fazer "bico" para sobreviver



Sem empregos formais, os trabalhadores no país têm de fazer "bico" para sobreviver. A precarização do trabalho cresce absurdamente, como reflexo do desemprego elevado e do fraco desempenho da economia.

Segundo o Pnad Contínua, o número de brasileiros sem carteira assinada ou qualquer vínculo formal aumentou em mais de 2 milhões, entre o segundo trimestre de 2019 e o segundo deste ano. As pessoas que vivem com remuneração máxima de um salário mínimo por mês representavam 48,2% dos trabalhadores que atuavam por conta própria no segundo trimestre de 2019. Atualmente o índice chega a 55,6%.

A estimativa é de que mais de 25 milhões de pessoas, ou 28,3% dos ocupados, vivem na informalidade. Nem quem tem curso superior completo escapa. Cerca de 643,6 mil profissionais graduados vivem de "bico".

Cada vez mais apático e sem um projeto capaz de gerar emprego e renda, o governo Bolsonaro marginaliza os brasileiros. Fonte: Bancários Bahia

0 visualização

Busca

Outras Notícias

insta.png
INSTAGRAM