© Copyright 2017 - Sindicado dos Bancários de Juazeiro e Região (SEEB)
Rua Sete de Setembro, nº 71 - Centro - Juazeiro/BA - CEP: 48.903-670
Fone: (74) 3611-3312 - E-mail: seebjuazeiroeregiao@yahoo.com.br
Todos os Direitos Reservados.

Mercado de trabalho o Brasil ainda é excludente

30.08.2019

 

 

Mais da metade (55%) da população brasileira é negra. Mesmo assim, o preconceito ainda é grande no mercado de trabalho. Um problema sério que diferencia salários e fecha as portas para muitos talentos. 


Seria natural que dois profissionais com a mesma função e responsabilidades em uma empresa tivessem remuneração igual. No entanto, no mercado brasileiro, se um dos trabalhadores é negro os cálculos mudam. Os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram.


A renda média de um profissional negro era de R$ 1.570,00 no ano de 2017. Para os pardos, havia uma tímida elevação, R$ 1.606,00. Já o trabalhador branco tinha salário médio de R$ 2.814,00. 


Um ano depois, em 2018, a diferença na remuneração permanecia a mesma. Mas, um outro dado escancarava o racismo do mercado de trabalho. Na hora de dispensar um funcionário, a empresa leva em conta a cor da pele.


Tanto que a maioria das pessoas que perderam o emprego é negra e a taxa de desempregados é mais alta entre essa parcela da população (14,6%). Em seguida aparecem os pardos (13,8%). Os brancos são 11,9% dos trabalhadores sem ocupação.


Os números também são preocupantes no setor bancário. Os trabalhadores negros ocupam apenas 20% das vagas disponíveis nos cinco maiores bancos do país. A maioria está nos públicos, onde a contratação acontece por meio de concurso público e não por meio de entrevista e seleção via currículo. 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Vídeos

Please reload

Busca