Reforma tira do povo e entrega para os bancos

13.08.2019

 

 

O discurso do governo, apoiado pela grande mídia, é de que a reforma da Previdência é a vilã nas contas públicas. Segundo a equipe de Bolsonaro, com a PEC 6/19, o país vai economizar cerca de R$ 1 trilhão na próxima década. Justamente o valor que, nos últimos 10 anos, foram destinados para o pagamento de juros e amortizações da dívida pública. 


Enquanto retira recursos dos trabalhadores, aposentados e pensionistas, a reforma da Previdência beneficia setores que já “nadam” em dinheiro, como os bancos e os investidores. 
 

Ao invés de mexer nos direitos de quem mais precisa, o governo federal deveria adotar medidas como uma auditoria da dívida pública interna, taxar as grandes fortunas acima de R$ 20 milhões, e fazer a tributação sobre lucros e superiores a R$ 360 mil mensais. 
 

Apesar de divulgarem que a Previdência é deficitária, a Seguridade Social registrou superávit de R$ 1 trilhão entre 2005 e 2016. Então, na verdade, a reforma da Previdência é uma demanda do mercado financeiro, não do povo.
 

A reforma, que foi aprovada na Câmara Federal, reduz os valores das aposentadorias, aumenta o tempo de contribuição e estabelece a idade mínima de 62 anos (mulheres) e 65 (homens). Para ter direito à aposentadoria integral, o trabalhador terá de contribuir por 40 anos. 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Vídeos

Please reload

Busca

© Copyright 2017 - Sindicado dos Bancários de Juazeiro e Região (SEEB)
Rua Sete de Setembro, nº 71 - Centro - Juazeiro/BA - CEP: 48.903-670
Fone: (74) 3611-3312 - E-mail: seebjuazeiroeregiao@yahoo.com.br
Todos os Direitos Reservados.