Navalha nos bancos e 1,6 mil vagas são cortadas

29.04.2019

 

Mesmo com aumento de 16,2% na lucratividade, que chegou a R$ 85,9 bilhões em 2018, os bancos não pensaram duas vezes na hora de passar a navalha no emprego. O setor fechou 1.645 postos de trabalho no primeiro trimestre de 2019. Só em março, 1.246 foram eliminados. 

A crise que assola o país é grave. Atinge muitos setores, menos o sistema financeiro. Enquanto o número de trabalhadores despenca, o lucro só cresce. Para exemplificar, em 2017, Itaú, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa e Santander, que respondem por 90% do emprego bancário, lucraram R$ 74 bilhões. 

Em um cenário difícil, em que falta trabalho para 27,7 milhões de brasileiros, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), os bancos provam que não têm responsabilidade social. Pelo contrário. São mestres em extorquir a população com juros e tarifas abusivas. 

Sobrecarga 
As demissões no setor bancário prejudicam não só os clientes, mas também os bancários que ficam nas agências. A sobrecarga é inevitável. Em dezembro de 2017, os cinco maiores bancos possuíam 857,65 clientes por empregado. No último mês 2018, a relação subiu para 892 clientes por emprego, alta de 4,1%. Realizar um atendimento humanizado se torna impossível. 

Os dados foram são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), compilados pelo Ministério da Economia.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Vídeos

Please reload

Busca

© Copyright 2017 - Sindicado dos Bancários de Juazeiro e Região (SEEB)
Rua Sete de Setembro, nº 71 - Centro - Juazeiro/BA - CEP: 48.903-670
Fone: (74) 3611-3312 - E-mail: seebjuazeiroeregiao@yahoo.com.br
Todos os Direitos Reservados.