Sem grana, os brasileiros seguem endividados

09.10.2018

 

 

Depois do golpe de 2016, viver no Brasil ficou muito mais caro, em paralelo, o índice de desemprego aumentou. A conta, portanto, não bate. Falta trabalho e dinheiro para pagar as dívidas. O índice de famílias endividadas ficou em 60,7% em setembro. 

A porcentagem de famílias com dívidas ou contas em atraso chegou a 23,8%. O patamar das famílias que disseram não ter condições de pagar os débitos subiu para 9,9%.

O vilão das dívidas é o cartão de crédito, que teve a resposta de 76,7% dos entrevistados. Os débitos com carnês (14,6%) e o financiamento de carro (10,2%) também foram citados. 

O tempo médio de atraso para o pagamento de dívidas foi de 65,2 dias em setembro de 2018, maior do que os 64,3 em igual período de 2017. O comprometimento com as dívidas foi de 7,1 meses, em média.

Os dados constam na Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor) divulgados pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo). 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Vídeos

Please reload

Busca

© Copyright 2017 - Sindicado dos Bancários de Juazeiro e Região (SEEB)
Rua Sete de Setembro, nº 71 - Centro - Juazeiro/BA - CEP: 48.903-670
Fone: (74) 3611-3312 - E-mail: seebjuazeiroeregiao@yahoo.com.br
Todos os Direitos Reservados.