Terceirização: STF a serviço do grande capital

30.08.2018

 

O STF (Supremo Tribunal Federal) tem dado muitos exemplos de que está a serviço do grande capital. Não há o mínimo de zelo pelos brasileiros. No julgamento sobre terceirização, decorrente de ações movidas pelo agronegócio e uma multinacional do ramo da celulose, os relatores, ministros Luiz Fux e Luiz Roberto Barroso votaram a favor da prática.

Por enquanto, o placar está 4 a 3 pela terceirização. Também votaram a favor, Alexandre de Moraes e Dias Toffolli. Os ministros Luiz Edson Fachin, Rosa Weber e Ricardo Lewandowski se posicionaram contra.  A votação continua na quarta-feira (29/08).

Só para lembrar, a terceirização irrestrita, ou seja, na atividade fim, retira direitos como férias e 13º salário. Reduz os salários e amplia a jornada de trabalho. É tudo liberado.

Estudo do Dieese mostra os terceirizados recebem em média 25% a menos do que os trabalhadores formais, trabalham três horas a mais por semana e estão sujeitos a um índice de rotatividade bem mais elevado, 64,4% contra 33%.

Os terceirizados estão mais sujeitos a acidentes de trabalho, em média, oito em cada 10. "Os grandes grupos empresariais se aproveitam para rebaixar os salários e precarizar as relações de trabalho", destaca o presidente licenciado do Sindicato, Augusto Vasconcelos.

Mas, para os ministros, não há problemas. Os dois alegaram suposta inconstitucionalidade da súmula 331 do TST (Tribunal Superior do Trabalho), que restringia a terceirização nas atividades secundárias das empresas.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Vídeos

Please reload

Busca

© Copyright 2017 - Sindicado dos Bancários de Juazeiro e Região (SEEB)
Rua Sete de Setembro, nº 71 - Centro - Juazeiro/BA - CEP: 48.903-670
Fone: (74) 3611-3312 - E-mail: seebjuazeiroeregiao@yahoo.com.br
Todos os Direitos Reservados.