© Copyright 2017 - Sindicado dos Bancários de Juazeiro e Região (SEEB)
Rua Sete de Setembro, nº 71 - Centro - Juazeiro/BA - CEP: 48.903-670
Fone: (74) 3611-3312 - E-mail: seebjuazeiroeregiao@yahoo.com.br
Todos os Direitos Reservados.

Municípios não ligam para recolhimento de lixo

17.07.2018

 

 

O vasto território nacional, composto por mais de 5.560 municípios, não tem atualmente um plano integrado ideal para o manejo do lixo ou resíduos sólidos de qualquer sorte, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Ao que parece, as prefeituras, responsáveis pela política de recolhimento, não estão muito preocupadas e os dados mostram.

As cidades da Bahia estão em segundo lugar no ranking, com o menor números de planos de resíduos sólidos, com um índice de 22,1%. Em primeiro está o Mato Grosso do Sul com 86,1% e, em último, o Piauí, com 17,4%. 

Os municípios brasileiros têm de seguir alguns requesitos para terem verba da União e investir em políticas de recolhimento. São 19 itens no total, que incluem metas de redução da quantidade de rejeitos por meio da reciclagem e reutilização de materiais, além de regras para transporte.

Mas, o número de habitantes é o principal fator para que a verba chegue, segundo o IBGE. Municípios com população superior à 500 mil habitantes apresentam taxa de 83,3% de gerenciamento no manejo do lixo, ou seja, não há razão para que uma cidade como Salvador, com 2,94 milhões de habitantes integre o baixo índice da Bahia neste plano. 

Uma cidade populosa precisa urgentemente de atenção neste quesito, principalmente pelos fatores ambientais que o lixo mal administrado pode causar, como alagamentos, deslizamentos, enxurradas, processos erosivos acelerados, e até mesmo seca. A população mais carente sempre acaba sendo a mais penalizada pela negligência. 
 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Vídeos

Please reload

Busca